Leia mais:
Leia mais:
Síndrome pós-COVID-19: quais os desafios nos cuidados nutricionais?
CDC aprova o uso da vacina Moderna contra covid-19 para crianças de 6 a 17 anos
Alterações no padrão de sono após infecção por covid-19
Qual o papel da anticoagulação na covid-19?
Papel das comorbidades na infecção grave por covid-19

Vacinação contra Covid-19: há risco de miocardite?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Com o avanço da vacinação contra a Covid-19 ao redor do mundo, é esperado que eventos adversos menos comuns se tornem mais evidentes. Durante esse processo de farmacovigilância, a ocorrência de casos de miocardite e de pericardite associados a vacinas de RNAm chamou atenção.

Casos relacionados à vacina parecem mais comuns após a segunda dose, mas possíveis mecanismos ainda não estão bem elucidados. A associação está sendo investigada por agências norte-americanas e europeias, mas resultados de análises extensas dos casos notificados ainda não foram publicados. Recentemente, um grupo dinamarquês utilizou os registros de bancos nacionais de dados para avaliar a ocorrência de miocardite e miopericardite associados à vacinação no país.

Leia também: Vacina para crianças: Ministério abre consulta e SBP lança manifesto em favor da vacinação

Vacinação contra Covid-19 e o risco de miocardite

Materiais e métodos

Utilizando os registros nacionais de vacinação, de exames laboratoriais e de testes diagnósticos de RT-PCR para SARS-CoV-2, e de diagnósticos médicos, todos os indivíduos registrados como residentes na Dinamarca entre janeiro de 2017 e outubro de 2020. Indivíduos com diagnóstico de miocardite ou miopericardite entre 2017 e setembro de 2020, com dois tipos de vacina e com teste positivo para Covid-19 foram excluídos.

Para cada dose, os residentes vacinados foram seguidos desde a data da administração até o dia 28 após a vacina. No artigo, são apresentados somente os dados relacionados ao uso das vacinas Moderna (mRNA-1273) e Pfizer (BNT162b2). Covariáveis estudadas incluíram idade, sexo, grupo de prioridade para vacinação e a presença de comorbidades clínicas.

O desfecho primário foi o registro de miocardite ou miopericardite como diagnóstico associado a aumento de níveis séricos de troponina e internação hospitalar por mais de 24 horas. Aumentos nos níveis de troponina dentro das 48 horas antes ou depois do diagnóstico foram considerados. Como desfecho secundário adicional, avaliou-se a associação de vacinação contra Covid-19 e o desfecho combinado de parada cardíaca e morte. Para os indivíduos com miocardite ou miopericardite, foram avaliados também estimativas de admissões hospitalares com mais de 72 horas, readmissão em até 28 dias da alta hospitalar, insuficiência cardíaca em até 28 dias do diagnóstico e morte em até 28 dias do diagnóstico, estratificados por idade, sexo e status vacinal.

Resultados

A coorte do estudo incluiu 4.931.775 indivíduos. Entre esses, 4.155.361 foram vacinados contra Covid-19, sendo a maioria (83,8%) com o imunizante da Pfizer e 12% com o da Moderna. Dos vacinados, 98,1% dos que receberam a vacina da Pfizer e 96,9% dos que receberam a Moderna foram imunizados com duas doses.

Durante o período de seguimento, foram identificados 269 casos de miocardite ou miopericardite, dos quais 73% ocorreram em homens e 40% possuíam entre 12 e 39 anos. Entre os vacinados, 48 indivíduos apresentaram miocardite e 21, miopericardite nos 28 dias seguintes à vacinação.

Indivíduos vacinados com Pfizer apresentaram um aumento na taxa de miocardite e miopericardite nos 28 dias após a vacinação, mas de forma não significativa (HR ajustada = 1,34; IC 95% = 0,9 – 2,0). O mesmo aconteceu quando a se analisou a faixa etária de 12 a 39 anos (HR ajustada = 1,48; IC 95% = 0,74 – 2,98). Já os vacinados com o imunizante da Moderna apresentaram um aumento significativo na taxa de miocardite ou miopericardite (HR ajustada = 3,92; IC 95% = 2,30 – 6,68). Novamente, os resultados foram semelhantes no estrato etário de 12 a 39 anos, com aumento estatisticamente significativo no grupo de vacinados com Moderna quando comparado com os não vacinados (HR ajustada = 5,24; IC 95% = 2,47 – 11,12). De forma interessante, para ambos os imunizados, houve redução no risco de parada cardíaca ou morte (HR = 0,51; IC 95% = 0,49 – 0,53 para Pfizer e HR = 0,41; IC 95% = 0,37 – 0,46 para Moderna) quando comparados com os não vacinados.

Saiba mais: Mega Vacinação: Ministério da Saúde amplia terceira dose da vacina contra Covid-19 para todos os adultos

A taxa absoluta de miocardite ou miopericardite em 28 dias após administração de qualquer vacina de RNAm contra Covid-19 foi de 1,7 a cada 100.000 indivíduos vacinados (IC 95% = 1,3 – 2,2). As taxas para Pfizer e Moderna foram de 1,4 (IC 95% = 1,0 – 1,8) e 4,2 (2,6 – 6,4) a cada 100.000 indivíduos, respectivamente.

As taxas por 100.000 indivíduos por grupos de interesse e por imunizantes estão resumidas abaixo. Não foram registrados casos de miocardite e nem de miopericardite em pessoas com 12 a 17 anos imunizados com Moderna, mas o número de vacinados nesse grupo específico foi pequeno.

Pfizer (IC 95%) Moderna (IC 95%)
Mulheres 1,3 (0,8 – 1,9) 2,0 (0,7 – 4,8)
Homens 1,5 (1,0 – 2,2) 6,3 (3,6 – 10,2)
12-39 anos 1,6 (1,0 – 2,6) 5,7 (3,3 – 9,3)
12-17 anos 1,0 (0,2 – 3,0)

Na análise por sensibilidade, ambas as vacinas foram associadas de forma significativa com a ocorrência de miocardite ou miopericardite em mulheres (HR ajustada = 3,73; IC 95% = 1,82 – 7,65 e HR ajustada = 6,33; IC 95% = 2,11 – 18,96 para Pfizer e Moderna, respectivamente). Entretanto, em homens, somente o imunizante da Moderna esteve associado a miocardite ou miopericardite de forma significativa, com uma HR ajustada de 3,22 (IC 95% = 1,75 – 5,93).

Para Pfizer, não houve associação de qual dose da vacina — se primeira ou segunda — e a ocorrência do desfecho primário. Para a vacina da Moderna, somente vacinação com a segunda dose teve associação estatisticamente significativa. O status vacinal não se mostrou relacionado ao desfecho clínico dos participantes que desenvolveram miocardite ou miopericardite.

A infecção pelo SARS-CoV-2 esteve associada a um aumento de 14 vezes no risco de parada cardíaca e morte em 28 dias após o teste positivo em comparação com indivíduos não infectados no seguimento.

Mensagens práticas

  • Nesse estudo com a população dinamarquesa, vacinação com o imunizante da Moderna esteve associado à ocorrência de miocardite e miopericardite. Para a vacina da Pfizer, tal associação só esteve presente em mulheres.
  • A taxa de miocardite e miopericardite foi, no geral, cerca de 3 a 4 vezes maior com a Moderna do que com Pfizer.
  • O número absoluto de eventos foi pequeno e os desfechos clínicos dos indivíduos vacinados que desenvolveram miocardite ou miopericardite foram, em sua maioria, leves.

Referências bibliográficas:

  • Husby, A, Hansen, JV, Fosbol, E, Thiesson, EM, Madsen, M, Thomsen, RW, Sorensen, HT, Andersen, M, Wohlfahrt, J, Gislason, G, Torp-Pedersen, C, Kober, L, Hviid, A. SARS-CoV-2 vaccination and myocarditis or mopericarditis: population based cohort study. BMJ 2021;375:e068665. doi: 10.1136/bmj-2021-068665.
Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    3 comentários

    1. Rodrigo Orem

      Os trechos do texto são contraditórios entre si:
      “O status vacinal não se mostrou relacionado ao desfecho clínico dos participantes que desenvolveram miocardite ou miopericardite.”
      “O número absoluto de eventos foi pequeno e os desfechos clínicos dos indivíduos vacinados que desenvolveram miocardite ou miopericardite foram, em sua maioria, leves.”
      Qual das duas está correta?

      • Bruna Figueiredo

        Talvez seja erro de tradução do artigo original, não? Realmente está contraditório.

      • Olá,
        Na última frase, eu destaquei somente os indivíduos vacinados.
        Para os que desenvolveram miocardite no geral, não houve diferença entre vacinados e não vacinados no desfecho clínico da miocardite, com poucos casos graves diagnosticados no total (O status vacinal não se mostrou relacionado ao desfecho clínico dos participantes que desenvolveram miocardite ou miopericardite.).
        Na última frase (O número absoluto de eventos foi pequeno e os desfechos clínicos dos indivíduos vacinados que desenvolveram miocardite ou miopericardite foram, em sua maioria, leves), o foco é somente para os indivíduos vacinados. Apesar de ter uma associação da vacina com o desenvolvimento de miocardite, o número absoluto de casos continuou sendo pequeno e esses casos foram, na sua maioria, leves, como nos não vacinados. Não teve um aumento de gravidade pelo fato do indivíduo ser vacinado.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.