Como escolher a CEPA probiótica ideal para a manutenção da saúde gastrointestinal? - PEBMED
Conteúdo Patrocinado Oferecimento

Como escolher a CEPA probiótica ideal para a manutenção da saúde gastrointestinal?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Este conteúdo foi produzido pela PEBMED, em parceria Cellera Farma de acordo com a Política Editorial e de Publicidade do Portal PEBMED.

O termo probiótico é originado do grego e significa “para a vida” ou “em prol da vida”. Segundo a Organização Mundial da Saúde são microrganismos vivos que quando administrados em quantidades adequadas determinam benefícios à saúde do hospedeiro. Os microrganismos devem estar vivos desde a produção até a utilização, o gênero e cepa devem ter sido identificados laboratorialmente e devem ser comprovadamente eficazes em humanos, além de resistirem ao ácido e bile no tubo digestório, por exemplo. 

A suplementação de microrganismos benéficos pode ser uma ferramenta para manutenção e restauração do equilíbrio intestinal. Entretanto, qual cepa indicar? Algumas reflexões precisam ser realizadas para responder a estas questões. 

cepa probiotica

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

O que é cepa probiótica?

A cepa do probiótico é identificada por um laboratório, catalogada pelo gênero, espécie e linhagem.  A importância de se definir uma cepa é que os estudos não são intercambiáveis, ou seja, só são válidos para a cepa e concentração pesquisada.

Quais são os probióticos mais usados na Gastroenterologia?

Há vários exemplos de probióticos e entre eles citam-se os Lactobacillus (L. rhamnosus, L. reuteri, L. casei), Bifidobacterium (B. lactis, B. bifidum, B.  infantis e B. animalis) e Saccharomyces.  

Kefir, Kombucha, leite fermentados e similares podem ser considerados probióticos?

Não podemos afirmar que Kefir ou Kombucha sejam realmente probióticos, uma vez que apresentam grande diversidade de produção, e poucos estudos de efetividade e/ou rastreabilidade de cepas. Por outro lado, os leites fermentados, podem ser considerados probióticos por conterem o Lactobacillus casei variedade Shirota em quantidade mensuráveis, capaz de atravessar os sucos digestivos e chegar vivo e em grande quantidade aos intestinos.

Qual cepa devo escolher e qual dose devo usar?

Quando procuramos na internet, nos deparamos com diversos produtos probióticos “naturais”, manipulados ou comerciais, e aí surge um grande questionamento: qual devemos escolher? Como saber como cada formulação irá agir em nosso organismo? 

O primeiro passo para uma prescrição adequada é conhecer o motivo do uso do probiótico. Um mesmo probiótico pode ser útil para diarreia aguda, constipação, cólica do lactente, modulação do eixo cérebro-intestino e, também, tratar dermatite atópica? A resposta com certeza é não; isso não seria um probiótico, mas sim uma panaceia. 

O Consenso Asiático-Pacífico sobre uso de probióticos propõe que a escolha da cepa de probiótico deva se basear no tipo de doença do trato gastrointestinal e local de residência do paciente, conforme tabela abaixo:

CEPA probiotica ideal

Resumidamente, na América Latina, incluindo o Brasil: o uso do Saccharomyces boulardii e Lactobacillus rhamnosus GG (LGG®) foram fortemente recomendados como adjuvantes à terapia de reidratação oral para gastroenterite. Lactobacillus reuteri também pode ser considerado. Os probióticos podem ainda ser prescritos para a prevenção da diarreia associada a antibióticos (L. rhamnosus GG (LGG®) ou S. boulardii); Diarreia induzida por Clostridium difficile (S.boulardii); diarreia nosocomial (L. rhamnosus GG (LGG®)) e na cólica infantil (L. reuteri). 

Segundo o IV Consenso Brasileiro da Infecção por Helicobacter pylori os probióticos não estão indicados de rotina no tratamento adjuvante desta bactéria. Entretanto, estudos com a cepa LGG® sugerem que os probióticos na terapia tríplice para o H. pylori podem ser importantes para evitar a diarreia associada aos antibióticos. Em um segundo momento, precisamos conhecer com segurança o laboratório que produz a cepa e a existência de estudos prévios avaliando sua efetividade em humanos. 

Por isso, a manipulação indiscriminada, apesar de geralmente ter um menor custo, pode não ser adequada. Além disso, é importante destacar que combinações não testadas de microrganismos podem impactar na eficácia do probiótico. Finalmente, é fundamental saber que a dose a ser prescrita deve ser aquela validada cientificamente, a qual pode variar de 1 a 110 bilhões de unidades formadoras de colônias/dose. Ressalte-se também que quantidade não está diretamente relacionada com a efetividade. Algumas cepas têm resultados em níveis mais baixos, enquanto outras exigem maiores quantidades. 

Concluímos que não há uma cepa ideal para todas as condições patológicas do trato gastrointestinal,  por tanto devem-se priorizar cepas com grande número de evidências científicas pelo mundo, como por exemplo o LGG®. 

Autor(a):

Referências bibliográficas: 

  • Cameron D, Hock QS, Kadim M, Mohan N, Ryoo E, Sandhu B, Yamashiro Y, Jie C, Hoekstra H, Guarino A. Probiotics for gastrointestinal disorders: proposed recommendations for children of the Asia-Pacific region. World J Gastroenterol. 2017; 23(45):7952-7964.
  • Su GL, Ko CW, Bercik P, Falck-Ytter Y, Sultan S, Weizman AV, Morgan RL. AGA Clinical practice guidelines on the role of probiotics in the management of gastrointestinal disorders. Gastroenterology. 2020;159(2):697-705
  • Documento de Consenso sobre la microbiota y el uso de probióticos/prebióticos en patologías neurológicas y psiquiátricas. https://www.sen.es/pdf/2021/Consenso_Microbiota_2021.pdf. Acessado em maio de 2021
  • Wang Y, Jiang Y, Deng Y, Yi C, Wang Y, Ding M, Liu J, Jin X, Shen L, He Y, Wu X, Chen X, Sun C, Zheng M, Zhang R, Ye H, An H, Wong A. Probiotic supplements: hope or hype? Front Microbiol. 2020 Feb 28;11:160. 

Coelho LGV, Marinho JR, Genta R, Ribeiro LT, Passos MDCF, Zaterka S, Assumpção PP, Barbosa AJA, Barbuti R, Braga LL, Breyer H, Carvalhaes A, Chinzon D, Cury M, Domingues G, Jorge JL, Maguilnik I, Marinho FP, Moraes-Filho JP, Parente JML, Paula-E-Silva CM, Pedrazzoli-Júnior J, Ramos AFP, Seidler H, Spinelli JN, Zir JV. IVth Brazilian Consensus Conference on Helicobacter pylori infection. Arq Gastroenterol. 2018; 55(2):97-121.

Este conteúdo foi produzido pela PEBMED, em parceria Cellera Farma de acordo com a Política Editorial e de Publicidade do Portal PEBMED.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar