Como evitar incontinência urinária na gestação?

A incontinência urinária afeta milhões, principalmente mulheres, levando à piora da qualidade de vida, com prejuízo social e emocional.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A incontinência urinária afeta milhões de brasileiros, principalmente mulheres, levando à piora da qualidade de vida, com grande prejuízo social, emocional e dificuldades no relacionamento uma vez que pode ter perda urinária durante o coito. Sua prevalência é subestimada, pois muitas vezes as pacientes não relatam o sintoma por acharem normal ou até por vergonha.

É uma patologia mais frequente pós-menopausa devido à redução de colágeno e de estrógeno com enfraquecimento da musculatura pélvica. Situações que levam a aumento da pressão intra-abdominal ou alteração da qualidade dos tecidos são fatores de risco para surgimento da incontinência urinária de esforço, como por exemplo número elevado de gestações, tabagismo, tosse crônica e obesidade. A via de parto vaginal, em uma revisão sistemática, mostrou dobro de risco de aparecimento de incontinência urinária em comparação com cesárea após início de trabalho de parto e triplo de risco se comparado com cesárea eletiva.

Leia também: Relatos de crianças com incontinência urinária sobre suas experiências 

Em mulheres jovens, a gestação é um dos principais fatores associados ao surgimento de incontinência urinária, devido ao grande volume uterino levando a aumento da pressão intra-abdominal principalmente no terceiro trimestre e também alterações hormonais com aumento de progesterona, relaxina responsável por frouxidão das articulações e redução de colágeno, há interferência na força e na função esfincteriana.

incontinência urinária na gestação

Estudo recente

Artigo publicado em dezembro na Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia buscou avaliar a prevalência e possíveis fatores de risco mais associados à incontinência urinária em gestantes. Foi um estudo caso controle realizado pela PUC do Rio Grande do Sul em 2017 com avaliação de 70 gestantes entre 12-20 semanas, gestação de feto único e sem antecedente de partos prévios ou cirurgias pélvicas, diabetes crônico ou doenças neurológicas. Elas foram submetidas a questionário específico sobre sintomas urinários [ICIQ-UI SF], diário miccional de 3 dias e exame físico uriginecológico, incluindo a classificação de prolapsos (POP-Q), teste de esforço com volume residual e avaliação da musculatura de assoalho pélvico. Quando diagnosticadas com incontinência, essas pacientes eram encaminhadas à fisioterapia.

Saiba mais: Neuromodulação no tratamento da incontinência fecal

Enquanto alguns estudos relatam uma prevalência de incontinência urinária em gestantes de até 75% a depender da população e dos hábitos, neste estudo, a prevalência foi de 18,3% e o tabagismo foi o único fator com significância estatística encontrado com aumento de 8 vezes no risco de incontinência urinária nas gestantes, estando o sintoma presente em 57,1% das tabagistas e em apenas 14,3% das não fumantes. As pacientes incontinentes apresentaram maior média de IMC (33 kg/m2) enquanto as continentes 29,5kg/m2, esta diferença não teve diferença estatística, mas vai ao encontro dos dados da literatura que definem a obesidade um marcador de risco para incontinência urinária. Não houve diferença nos parâmetros de POP-Q e no diário miccional entre as gestantes com ou sem perda urinária.

Por que o tabaco aumenta tanto o risco de incontinência urinária?

O monóxido de carbono presente no cigarro interfere no transporte de oxigênio aos tecidos, levando à atrofia da musculatura. Além do próprio efeito irritativo da nicotina sobre o músculo detrusor. E outro motivo é que tabagistas apresentam tosse frequente, com constante aumento na pressão vesical e na musculatura pélvica, podendo desencadear danos à inervação dessa musculatura.

Mensagem prática

A presença de incontinência urinária deve ser sempre questionada em consulta pelo ginecologista e a redução de fatores de risco modificáveis como tabagismo e obesidade deve ser sempre estimulada. O encaminhamento à fisioterapia para exercícios pélvicos na gestação pode levar a melhora dos sintomas e melhor qualidade de vida para essas mulheres.

Referências bibliográficas:

  • Caruso FB et al. Risk Factors for Urinary Incontinence in Pregnancy: A Case Control Study. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online]. 2020, vol.42, n.12, pp.787-792. Epub 11-Jan-2021. ISSN 1806-9339. doi: 10.1055/s-0040-1718951. ISSN 0100-7203.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão