ESC 2019: no IAM com supraST, faça revascularização completa - PEBMED

ESC 2019: no IAM com supraST, faça revascularização completa

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A angioplastia primária é o tratamento de escolha no IAM com supradesnível do segmento ST, devendo ser realizada em até 90 min da admissão (tempo porta-balão). Em alguns pacientes, é comum que na coronariografia seja encontrada mais de uma lesão obstrutiva nas coronárias e havia dúvida se devíamos abordar apenas a lesão culpada do IAM ou todas. No choque cardiogênico, o estudo CULPRIT-SHOCK mostrou que o ideal é abrir apenas a artéria culpada no primeiro momento 🡪 estabilizar o paciente 🡪 e só depois abrir as demais obstruções.

esc 2019

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Revascularização completa no IAM com supraST

Um estudo publicado na NEJM e apresentado no congresso da European Society of Cardiology (ESC) 2019 mostrou que a estratégia de revascularização completa é benéfica nos pacientes com IAM com supraST sem choque cardiogênico, só que essas angioplastias podem ser feitas em mais de um tempo (para poupar contraste e risco) e em até 45 dias após o IAM, não necessitando ficar internado para completar todas.

O Portal PEBMED vai trazer as principais novidades do congresso 2019 da ESC 2019, que acontece entre os dias 31 de agosto e 4 de setembro. Confira todos os artigos clicando aqui.

No estudo, 4041 pacientes em 140 centros de 31 países foram randomizados para:

  • Revascularização completa, podendo ser feita em dois ou mais “tempos” e até 45 dias após a alta. Foram tratadas todas as lesões com > 70% obstrução e aquelas com 50-69% e FFR indicando isquemia.
  • Versus revascularização apenas da artéria culpada seguida de tratamento clínico, independente da presença ou não de isquemia residual em exames funcionais.

A população tinha idade média de 62 anos, 80% homens, 20% diabéticos, 2% renais crônicos e 10% em Killip II ou III. Os resultados mostraram redução de 26% no risco de IAM ou morte, com um NNT de 37:1. Não houve aumento significativo de riscos, como sangramento e insuficiência renal. É bem verdade que na análise individual de desfechos, a grande redução foi no IAM e angina, e não em morte ou AVC, mas ainda assim é um belo resultado.

Por isso, para a prática clínica, a ideia é sempre tentar a revascularização completa no IAM com supraST, primeiro da artéria culpada e depois das demais lesões.

Mais do ESC 2019:

Autor:

Referências:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar