Página Principal > Saúde Pública > Gripe em 2018: prevenção, tratamento e vacinação
influenza

Gripe em 2018: prevenção, tratamento e vacinação

Tempo de leitura: 3 minutos.

Entre janeiro e julho de 2018, o Brasil registrou 839 mortes por influenza, um aumento de 194,4% em relação ao mesmo período de 2017. O número de casos também cresceu esse ano: foram 4.680 infecções contra 1.782 em 2017. A maioria dos óbitos (60%) foi provocado pela gripe H1N1. Os dados são da mais recente pesquisa da Secretaria de Vigilância do Ministério da Saúde.

Segundo o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri, em entrevista para o site G1, o aumento nos casos e óbitos pode ser atribuído a três fatores:

  1. A não adesão da população de risco à vacinação
  2. Tratamento tardio
  3. Mutação grande do vírus

PREVENÇÃO DA INFLUENZA

A vacinação contra influenza é uma das medidas mais efetivas para a prevenção da gripe e suas complicações. Apesar disso, a adesão às campanhas ainda é longe do esperado: em 2018, foram necessários mais de três meses para imunizar 90% da população de risco (em 2017, essa meta foi alcançada em três semanas).

Uma das principais reclamações dos brasileiros em relação à vacina é sua segurança. Em nota, o Ministério da Saúde afirma que as vacinas inativadas contra influenza são seguras. A dor local é o evento adverso mais comum nos vacinados, não sendo encontradas evidências de que as vacinas atualmente em uso causem eventos sistêmicos graves, como febre alta ou Síndrome de Guillain-Barré (SGB).

Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias, de 39% a 75% a mortalidade global e em 50% as doenças relacionadas à influenza.

mulher sendo vacinada no braço
A vacinação contra influenza é uma das medidas mais efetivas para a prevenção da gripe

 

Os grupos prioritários para vacinação são:

  • Crianças de seis meses a menores de cinco anos;
  • Gestantes;
  • Puérperas;
  • Trabalhador de Saúde;
  • Professores;
  • Povos indígenas;
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas;
  • Indivíduos com 60 anos ou mais de idade;
  • População privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.
  • Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais independe da idade

SAIBA MAIS: Campanha de vacinação contra Influenza 2018

Outras maneiras de prevenção incluem lavar sempre as mãos e frequentar ambientes ventilados.

TRATAMENTO DA INFLUENZA

O período de incubação do vírus é de 1 a 4 dias, mas a transmissão já pode ocorrer a partir de 1º dia antes do início dos sintomas. Uma vez identificados os sintomas (febre alta e súbita, tosse, dor de garganta, dor no corpo, dor nas articulações e dor de cabeça) e diagnosticada a gripe, deve-se iniciar o tratamento. O mais apropriado é:

  • Boa hidratação
  • Repouso
  • E uso do antiviral específico, sempre prescrito pelo médico.

É recomendado iniciar o antiviral imediatamente, especialmente fosfato de oseltamivir (Tamiflu®), nos casos de síndrome respiratória aguda grave, síndrome gripal, indivíduos sem risco para complicações e se o critério médico achar necessário e indivíduo de qualquer idade com insuficiência respiratória aguda em período sazonal.

Clique aqui e acesse o Guia de Prescrição do Whitebook para saiber mais sobre o tratamento da Influenza!

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.