Home / Nutrologia / Pacientes oncológicos e os cuidados com a saúde bucal e dieta nutricional
médico prescrevendo dieta para paciente oncológico

Pacientes oncológicos e os cuidados com a saúde bucal e dieta nutricional

Nutrologia, Odontologia Hospitalar, Oncologia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

Os pacientes oncológicos submetidos aos tratamentos de radioterapia ou quimioterapia ficam mais suscetíveis a infecções bucais, que podem se espalhar pelo corpo, comprometendo a sua recuperação, alerta a dentista Ana Laura Soares, do Centro Especializado em Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo.

“Algumas medicações e tratamentos como radioterapia na região da cabeça e do pescoço têm efeitos direto na cavidade oral. Além disso, quando submetidos à quimioterapia, os pacientes podem ter períodos de imunossupressão em que o organismo fica mais susceptível a infecções, sendo a boca considerada o foco/origem de infecções de extrema relevância”, explica Ana Laura Soares.

Portanto, é fundamental que os médicos orientem os seus pacientes sobre a importância da realização do acompanhamento odontológico no início e no decorrer do tratamento oncológico.

Acompanhamento odontológico do paciente com câncer

“Caso a avaliação não ocorra antes do início da terapia oncológica, o paciente deve ser avaliado tão logo tenha condições clínicas para isso. Dessa forma, é possível reduzir esses riscos e, eventualmente, controlar os efeitos colaterais”, salienta a dentista.

A especialista ressalta ainda que cada caso é único e que esse suporte deve ser personalizado, uma vez que nem todos os pacientes têm as mesmas condições e informações, e também não reagem da mesma forma ao tratamento.

“Algumas medicações provocam a mucosite, e esse tipo de inflamação pode se tornar a porta de entrada para infecções secundárias”, explica Ana Laura Soares.

No entanto, outras reações, quando diagnosticadas precocemente, podem ser minimizadas e prevenidas, como a xerostomia e a necrose dos ossos da boca.

Nesse período, a cavidade oral fica mais fragilizada e existe um risco maior de aparecerem feridas na boca. Em razão, disso deve-se reduzir o uso de substâncias com teor alcoólico, com açúcar em sua composição, substâncias abrasivas e com excesso de detergentes. Mas, as recomendações devem ser personalizadas e específicas para cada patologia e tratamento proposto.

Equilíbrio entre a dieta e o tratamento oncológico

Além do acompanhamento da saúde bucal, é essencial que os pacientes encontrem um equilíbrio entre a dieta e o tratamento oncológico, como enfatiza a nutricionista do Centro Especializado em Oncologia, Kátia Braz.

Ela chama atenção para o acompanhamento nutricional em casos de mucosite, xerostomia e outras situações que prejudicam e até desmotivam os pacientes a continuar com o tratamento oncológico.

“É necessário avaliar o quadro clínico de cada paciente para preparar uma dieta especial, de forma que ele evite ingerir alimentos que intensificam a dor e o desconforto causado por essas lesões”, afirma a nutricionista.

VEJA TAMBÉM: Seu paciente com câncer pode fazer reabilitação cardíaca?

Dicas nutricionais e precauções

De acordo com a nutricionista Kátia Braz, existem princípios básicos a serem seguidos no tratamento nutricional. Em casos de mucosite, o ideal é evitar o consumo de alimentos ácidos. Já em pacientes que apresentam dor ou dificuldades para deglutir, o recomendado é alterar a consistência dos alimentos, com a adição de uma dieta pastosa, por exemplo:

Mucosite

  • Evitar o consumo de alimentos ácidos;
  • Reduzir o uso do sal e de temperos industrializados na comida;
  • Consumir bebidas em temperatura fria ou gelada;
  • Evitar ingerir condimentos fortes;
  • Dar preferência aos alimentos macios ou dieta pastosa.

Xerostomia

  • Aumentar a ingestão de líquidos;
  • Evitar o consumo de alimentos duros, crocantes ou secos;
  • Evitar café, chá e refrigerante.

E MAIS: Aspectos psicológicos do câncer no adulto jovem

Odinofagia e disfagia

  • Alterar a consistência dos alimentos para uma dieta pastosa;
  • Evitar alimentos muito quentes ou muito gelados;
  • Evitar alimentos ácidos;
  • Reduzir o uso do sal na comida;
  • Não utilizar condimentos artificiais;
  • Fracionar a dieta de seis a oito vezes por dia.

Alteração no paladar

  • Consumir frutas ácidas;
  • Utilizar condimentos e especiarias;
  • Consumir alimentos em temperatura fria ou morna, isso tende a reduzir o sabor e melhorar a tolerância.

“No caso específico de pacientes oncológicos, os cuidados nutricionais são de extrema importância para que o organismo do paciente possa suportar todo o tratamento proposto. Um organismo mal nutrido tem uma capacidade menor de tolerar o tratamento do câncer e manter as funções normais básicas de cada indivíduo”, destaca a nutricionista.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED.

Autora:

Referência:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.