Redução da ingesta alcoólica possui benefício na fibrilação atrial? - PEBMED

Redução da ingesta alcoólica possui benefício na fibrilação atrial?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

O consumo regular de álcool é comum em nossa sociedade, sendo a droga lícita mais consumida no mundo. Estudos observacionais mostram uma relação dose-dependente entre a ingesta de álcool e a um aumento da incidência de fibrilação atrial (FA), aumento do volume atrial esquerdo, fibrose atrial e recorrência de FA após ablação.

Além disso, o consumo de álcool está relacionado a outros fatores de risco cardiovasculares e doenças que favorecem o surgimento de FA, como a hipertensão, apneia obstrutiva do sono, obesidade e insuficiência ventricular esquerda. Entretanto a há pouca evidência na literatura de que reduzir ou interromper a ingesta de álcool ajuda a prevenir novos episódios de FA.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Álcool e fibrilação atrial

Um estudo australiano, multicêntrico decidiu testar o poder da redução do consumo de álcool na prevenção secundária da FA. Foram 697 pacientes de 18 a 85 anos que consumiam pelo menos dez doses de álcool (120 g de álcool puro) por semana. Destes apenas 140 foram incluídos no estudo para randomização em dois grupos de 70 participantes cada.

Os pacientes do grupo do tratamento eram encorajados a abstinência alcoólica por seis meses, eles eram monitorados pela equipe investigadora e tinha um guia de como avaliar a não ingesta de álcool. Eles ainda aceitaram realizar exames de urina para detecção de da substância no organismo.

cadastro portal

Para participarem do estudo, as pessoas deveriam apresentar episódios de FA paroxística nos últimos seis meses ou mesmo estar em FA com controle de frequência como estratégia terapêutica. Após a randomização todos os pacientes precisavam estar em ritmo sinusal, ainda que fossem necessários antiarrítmicos para isso. Pessoas com dependência ou abuso de álcool, doença psiquiátrica, disfunção ventricular esquerda grave (FE <35%) e doença não cardíaca grave foram excluídos do estudo.

Os pacientes foram monitorados com dispositivos cardíacos (marcapasso, monitor de eventos, holter) ou um aplicativo de celular. Eram encorajados a mandar traçados de ECG ao menos duas vezes ao dia e sempre que sintomáticos.

Mais do autor: FDA aprova derivado do óleo de peixe para prevenção cardiovascular

Resultados

O desfecho primário foi definido como a recorrência da fibrilação atrial (taquiarritmia atrial com 30 segundos ou mais de duração) após 2 meses de abstinência alcoólica. O desfecho secundário era uma comparação entre os grupos de determinadas variáveis como perda de peso, controle da pressão, sintomas de FA, qualidade de vida, hospitalização por FA, entre outros.

O desfecho primário foi atingido em 37 pacientes (53%) do grupo da abstinência alcoólica, e 51 pacientes (73%) do grupo da ingestão alcoólica. Os pacientes do grupo da abstinência ainda tiveram um tempo maior sem recorrência da FA e uma menor carga da FA.

Com isso o artigo mostra que a redução da ingesta de álcool é capaz de reduzir a incidência, aumentar o tempo livre e reduzir a carga da FA de maneira estatisticamente significativa. Ainda sim perceba que mesmo no grupo da abstinência mais da metade dos pacientes desenvolveram FA, o que mostra o caráter multifatorial a doença.

Leia também: Fibrilação atrial e diabetes

Entretanto é plausível manter a recomendação de para ou reduzir a ingesta de álcool em pacientes com fibrilação atrial.

Quer receber as principais novidades em Cardiologia? Participe do nosso grupo do Whatsapp!

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Voskoboinik A, et al. Alcohol Abstinence in Drinkers with Atrial Fibrillation. N Engl J Med, January 2, 2020;382:20-8. DOI: 10.1056/NEJMoa1817591

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar