Sofosbuvir, medicamento para Hepatite C, pode combater Febre Amarela

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Testes realizados por pesquisadores da Fiocruz indicam que o sofosbuvir, fármaco utilizado no tratamento da Hepatite C, pode combater também o vírus da Febre Amarela. Hospitais, clínicas e centros de pesquisa do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais e São Paulo já iniciaram o uso compassivo do medicamento.

Em 2017, um estudo liderado pela mesma equipe da Fiocruz demonstrou que o sofosbuvir possui ação contra o vírus da Zika, ao inibir a replicação viral e proteger as células da infecção. Outra pesquisa realizada no Canadá identificou eficácia do antiviral também na Dengue. Os vírus da Hepatite C, Dengue, Zika e Febre Amarela, são da mesma família Flaviviridae, o que pode explicar essa relação.

Os testes mais recentes, realizados para o combate da Febre Amarela, foram feitos em camundongos, mas por causa da consistência nos achados e iminente epidemia, o fármaco recebeu autorização da Anvisa para ser experimentado em humanos em estado grave, sem outra opção de tratamento, começando pelas regiões mais afetadas.

Outras alternativas

Pesquisadores do Instituto Butantan, do Instituto de Ciências Biomédicas da USP e da Fundação Oswaldo Cruz realizaram uma análise de substâncias já disponíveis comercialmente para encontrar aquelas que também podem combater a Febre Amarela. No total, 1.280 princípios ativos foram analisados e 88 deles conseguiram reduzir a infecção em 50% ou mais; além disso, dois mostraram eficácia contra a dengue. Os autores do estudo estão agora em busca de parcerias com as indústrias farmacêuticas.

Leia também: ‘Abordagem ao paciente com febre e mialgia’

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Um comentário

  1. Márcio Amaral

    Um complemento:

    Existem também protocolos em andamento para uso de ivermectina em pacientes com febre amarela suspeita sem critérios de gravidade mas com alteração de transaminases. A droga atua na NS3, protease comum nos flavivírus, enquanto o sofosbuvir tem ação na NS5.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar