Ginecologia e Obstetrícia

Anticoncepção de emergência, o que você precisa saber [Especial de Carnaval]

Apesar do amplo esforço do governo em conscientizar a importância do sexo seguro e da distribuição de preservativos durante o Carnaval, nos deparamos comumente com pacientes em busca de orientações para anticoncepção de emergência após manter relações sexuais desprotegidas.

Segundo um estudo do CDC, a proporção de mulheres nos Estados Unidos que já usaram anticoncepcionais de emergência aumentou de 4% em 2002 para 11% até 2010. Durante o plantão no pronto atendimento é comum recebermos pacientes em busca dessa contracepção ou a famosa pílula do dia seguinte.

Quando estamos frente a frente ao paciente com estas dúvidas, você se sente preparado para lidar da maneira correta?

A anticoncepção de emergência é um método contraceptivo para prevenção de gestação inoportuna ou indesejada seja por relação sexual desprotegida, falha do método de anticoncepção ou violência sexual.

Leia maisContraceptivo hormonal é eficaz no tratamento do sangramento menstrual?

Os dois métodos mais comuns envolvem o uso progestágeno (levonorgestrel) em alta dose ou o método de Yuzpe o qual conta com a associação etinilestradiol e levonorgestrel. O primeiro método possui menor taxa de falha e é dose única, enquanto o segundo, Yuzpe, é administrado em duas doses com intervalos de 12/12h e não pode ser utilizado em associação com o ritonavir na profilaxia contra o HIV.

Os efeitos colaterais mais comuns desse regime são:

  • Náuseas
  • Vômitos
  • Vertigem
  • Cefaleia
  • Mastalgia
  • Diarreia
  • Irregularidade menstrual
  • Dor abdominal

Se há vômito nas primeiras duas horas após anticoncepção de emergência, recomenda-se que a dose seja repetida. Caso o vômito ocorra novamente dentro do mesmo prazo, ou a mulher esteja inconsciente, recomenda-se a administração por via vaginal. A única contraindicação absoluta, categoria 4 da OMS, é a gravidez confirmada.

Acima de tudo, é importante orientar o paciente a respeito dos riscos do sexo desprotegido, pois muito além de gravidez inesperada, podem ocorrer o contato com doenças sexualmente transmissíveis.

Leia mais matérias do Especial de Carnaval

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Compartilhar
Publicado por
Bruno Lagoeiro

Posts recentes

Atividade física e Covid-19: a importância da reavaliação médica no retorno aos treinos

Nesse primeiro vídeo sobre atividade física e covid-19, o cardiologista Mateus Freitas comenta sobre a…

15 horas atrás

Novas evidências: Laser fracionado de CO2 para tratamento de atrofia vaginal

O laser fracionado de CO2 ganha cada vez mais credibilidade no tratamento de patologias urogenitais.…

16 horas atrás

Manejo da dispneia na emergência com uso de ultrassonografia point-of-care (POCUS)

A ultrassonografia POCUS pode ser utilizada como ferramenta diagnóstica e como guia da evolução da…

17 horas atrás

CHEST 2021: Fibrose pulmonar idiopática, neurointensivismo, DPOC e muito mais

O CHEST 2021, congresso do American College of Chest Physicians, trouxe diversas novidades e discussões…

18 horas atrás

Estudo mostra bebês prematuros extremos que sobrevivem ao parto também melhoram os desfechos de neurodesenvolvimento

Um estudo avaliou o neurodesenvolvimento e a incapacidade neurológica significativa aos dois anos em bebês…

19 horas atrás

Perfil metabólico nas mulheres em amamentação exclusiva após uma gestação com diabetes gestacional

A diabetes gestacional é uma doença de incidência variável no mundo, chegando a 17,8% das…

20 horas atrás