Cardiologia

Prevenção primária das doenças cardiovasculares em 2019

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

As doenças cardiovasculares são as que mais matam no mundo e nos últimos anos muitas novidades aparecem, com impacto direto em nossa prática. Em um cenário ideal, quando um paciente vem para “check up”, quais exames, tratamentos e orientações ele deve receber para reduzir o risco de infarto, AVC ou morte por doença cardiovascular (MACE, major cardiovascular events)? No texto de hoje vamos orientar sua prática e mostrar as evidências por trás das recomendações. Aqui, consideraremos um paciente assintomático, com exame físico normal e sem comorbidades importantes.

Solicite os exames de rotina:

  • Hemograma
  • Glicemia e hemoglobina glicada
  • Função renal e eletrólitos
  • Perfil lipídico

Calcule o risco cardiovascular. Há duas opções e não temos estudos definitivos de qual é a melhor. Uma, a calculadora americana ASCVD, recentemente atualizada pelos estudos de coorte e epidemiológicos. A outra, o Escore de Risco Global, utilizado no Brasil e na Europa.

Ao final, há três opções:

  1. Baixo Risco
  2. Risco Intermediário
  3. Alto Risco

Para o paciente de risco intermediário, podem ser necessários exames complementares para refinar melhor a estimativa de risco. Os mais utilizados são:

  1. Microalbuminúria
  2. Proteína C reativa
  3. Lipoproteína(a)
  4. Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
  5. Espessura médio-intimal da carótida (IMT ou EMI)
  6. Escore de cálcio na TC
    1. Dos exames listados, merece destaque pois vendo sendo o parâmetro com melhor correlação com prognóstico e risco de MACE. É, para alguns autores, o exame de escolha hoje para refinar a estratificação do risco cardiovascular. É subdividido em:
      1. Zero: baixo risco
      2. 1-99: risco intermediário, é a zona cinza e que menos ajuda nosso raciocínio
      3. >99: alto risco

Pressão Arterial

As novas diretrizes brasileiras, após a polêmica da AHA 2017, ainda serão lançadas, mas a tendência é seguir o modelo europeu (ESC), menos radical, no qual a hipertensão é definida e classificada como:

PAS

(mmHg)

PAD

(mmHg)

Ótimo < 120 < 80
Normal 120-129 80-84
Normal-Alto 130-139 85-89
Estágio 1 140-159 90-99
Estágio 2 160-179 100-109
Estágio 3 ≥ 180 ≥ 110

A seguir, a relação entre o estágio da HAS e o risco cardiovascular que vão definir o tratamento, de acordo com a ESC 2018.

Dislipidemia

Outro campo polêmico. A diretriz brasileira, recentemente publicada, recomenda a estratificação do risco cardiovascular como guia para indicar o início e dose de estatina.

Categoria Critérios de Inclusão Meta LDL (mg/dl)
Muito alto risco Doença aterosclerótica (mesmo se assintomática)
Obstrução arterial ≥ 50%
< 50
Alto risco ERG ≥ 20% (homem) ou 10% (mulher) + LDL 70-189 mg/dl
Aterosclerose subclínica*
Aneurisma aorta abdominal
DRC (TFGe < 60 ml/min)
LDL ≥ 190 mg/dl
Diabetes 1 ou 2 + fatores de risco** ou aterosclerose subclínica
< 70
Risco intermediário ERG 5-20% (homem) ou 5-10% (mulher) + LDL 70-189 mg/dl
DM 1 ou 2 que não preencham critérios de alto risco
< 100
Baixo risco ERG < 5% + LDL 70-189 mg/dl < 130

Só que os americanos inovaram e agora em 2018 publicaram diretrizes com mais detalhamento e complexidade. Qual a mensagem que eles deixam de diferente?

  • As estatinas são a droga de escolha. Nos pacientes de alto risco, caso o LDL persista acima da meta mesmo com dose máxima, a próxima escolha é ezetimibe. Se mesmo assim não houver redução suficiente do LDL, aí sim entram os inibidores do PCSK9.
  • Acrescenta a apoB como um dos preditores de risco para ajudar na decisão do paciente intermediário.
  • Pré-eclâmpsia, menopausa precoce (< 40 anos) e doenças inflamatórias crônicas (como AR e psoríase) entram como marcadores de risco e, em pacientes “intermediários”, vão sugerir início de estatina.
  • O nível de triglicerídeos que indica fibrato subiu. Os autores recomendam “avaliar” entre 500 e 1000 mg/dl e “tratar” apenas se > 1000 mg/dl
  • Só devemos monitorar CK e transaminases se houver sintoma e/ou suspeita clínica, e não de rotina.

Modificações do Estilo de Vida

  1. Dieta saudável
    1. A dieta do mediterrâneo foi recentemente escolhida como a “mais saudável”.
  2. Interrupção tabagismo
    1. Medida importante, com data nacional para marcar o evento. Há as opções do tratamento psicológico/grupos de apoio e medicações.
  3. Manutenção peso normal
  4. Exercícios físicos regulares

Quando prescrever AAS na prevenção primária

Dois grandes ensaios clínicos publicados por ocasião do congresso da ESC 2018 e uma meta-análise recente que saiu no JAMA mudaram as indicações do AAS na prevenção primária. Assim como nas estatinas, a indicação está relacionada com o risco cardiovascular:

  1. Baixo risco → não indica
  2. Risco intermediário → pelos estudos recentes, não indica. Foi a principal mudança.
  3. Alto risco → indica

Especificamente sobre a meta-análise recente, houve redução no risco de eventos cardiovasculares, especificamente morte e IAM, mas aumento no risco de sangramento, incluindo casos graves. O NNT para benefício foi 264 (é necessário tratar 264 pacientes para evitar um MACE) e o NNH para risco 210. Olhando assim, fica a dúvida do real benefício do AAS. Mas a verdade é que o paciente com melhor indicação é aquele de maior risco cardiovascular e com menor risco de sangramento. Por isso, fique de olho nos fatores abaixo, que aumentam os riscos:

Idoso HAS Tabagismo
Sexo masculino DM Uso AINE
Hepatopatia Trombocitopenia ou coagulopatia Anticoagulação plena
Nefropatia Obesidade Dose e tempo de uso do AAS
Hospitalização por doença gastrointestinal ou dor abdominal

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • https://health.usnews.com/best-diet
  • Zheng SL, Roddick AJ. Association of Aspirin Use for Primary Prevention With Cardiovascular Events and Bleeding EventsA Systematic Review and Meta-analysisJAMA. 2019;321(3):277–287. doi:10.1001/jama.2018.20578
Compartilhar
Publicado por
Ronaldo Gismondi

Posts recentes

Fraturas traumáticas também estão relacionadas à osteoporose?

As fraturas relacionadas à osteoporose podem acometer 1 em cada 2 mulheres na pós-menopausa, levando…

7 minutos atrás

Dia Nacional de Conscientização da Doença de Alzheimer: o incansável caminho para a cura e a importância da prevenção

A lei brasileira institui 21/9 como o dia Nacional de Conscientização da Doença de Alzheimer,…

1 hora atrás

Pacientes com fibromialgia sentem mais os efeitos da covid-19?

Estudos indicaram que cerca de 70% dos pacientes com fibromialgia sofreram com o agravamento da…

2 horas atrás

Uso da inteligência artificial para otimização do tratamento da sepse

Estudo avaliou modelo computacional no campo da Inteligência Artificial, capaz de sugerir tratamentos otimizados para…

16 horas atrás

Check-up Semanal: semana da sepse, dieta vegetariana em crianças e mais! [podcast]

Check-up Semanal: confira as últimas notícias sobre semana da sepse, dieta vegetariana em crianças, apendicite…

17 horas atrás

Anestesia e síndrome carcinoide: o que precisamos saber?

A síndrome carcinoide pode surgir quando os peptídeos vasoativos secretados pelas células tumorais entram na…

18 horas atrás