Cardiologia

ESC 2021: produto “substituto do sal” pode reduzir o risco cardiovascular

Tempo de leitura: 3 min.

As doenças cardiovasculares são a principal causa de óbito no mundo e a hipertensão arterial sistêmica é o fator de risco mais comum. Entre os desfechos cardiovasculares maiores (morte, AVC e IAM), o acidente vascular cerebral é o mais influenciado pelos valores da pressão arterial.

Por outro lado, a pressão arterial tem correlação direta com o consumo de sódio. Estudos populacionais mostram que o consumo de sal, em especial na população ocidental, é muito acima dos 2g sódio (ou 6g sal cozinha) recomendados por dia.

Substituto do sal

O estudo Salt Substitute and Stroke Study (SSaSS) teve como objetivo comparar o uso do sal de cozinha tradicional versus um substituto industrializado, que poderia conferir sabor mas com menor quantidade de sódio e maior de potássio. Foram incluídos 20.995 pacientes com mais de 60 anos de idade e hipertensão não controlada, em áreas rurais da China, e randomizados para “sal substituto” versus “sal convencional”.

Não houve cegamento. O desfecho primário foi MACE e os pesquisadores monitoraram, por segurança, o nível sérico de potássio.

A população teve idade média 65 anos, 49,5% mulheres, 88% com hipertensão prévia e 72% com passado de AVC (portanto, uma população de maior risco), com um acompanhamento médio de 4,7 anos. O grupo de intervenção apresentou um risco 14% menor de MACE e 12% menos na mortalidade, sem aumento significativo na hipercalemia.

Como mensagem prática, este estudo, com gigantesco número de pacientes, reforça que na população idosa e hipertensa, a redução do consumo de sódio e a promoção do consumo moderado de potássio é capaz de reduzir o risco de eventos cardiovasculares e morte.

Veja mais do ESC 2021:

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Neal B, et al. Effect of Salt Substitution on Cardiovascular Events and Death. New England Journal of Medicine. August 29, 2021 DOI: 10.1056/NEJMoa2105675
  • Roth GA, et al. Global Burden of Cardiovascular Diseases and Risk Factors, 1990–2019: Update From the GBD 2019 Study. Journal of the American College of Cardiology. Volume 76, Issue 25, 22 December 2020, Pages 2982-3021 https://doi.org/10.1016/j.jacc.2020.11.010
Compartilhar
Publicado por
Ronaldo Gismondi

Posts recentes

Relembrando o que é o hipoparatireoidismo

O hipoparatireoidismo é uma condição relativamente rara, causada na maioria das vezes pelo dano cirúrgico…

3 horas atrás

Pandemia impactou no aumento de peso e controle da glicemia dos portadores de diabetes tipo 2

A pandemia de Covid-19 teve um impacto bastante negativo no aumento de peso e controle…

4 horas atrás

Anemia Falciforme: você pode ser um portador deste traço

A anemia falciforme atinge um grande número de brasileiros, dessa forma, os diretos do portador…

5 horas atrás

Escabiose: orientações para o sucesso do tratamento

É importante o paciente com escabiose seguir algumas orientações para tratar a dermatose. Saiba quais…

20 horas atrás

Outubro rosa: Câncer de vulva: update 2021

As neoplasias de vulva respondem apenas por 4% das neoplasias ginecológicas. Saiba mais.

20 horas atrás

Palpação convencional x ultrassom para procedimentos neuroaxiais

Procedimentos neuroaxiais, como punção lombar diagnóstica, são realizados através da palpação de pontos de referência…

21 horas atrás