Pediatria

AAP 2021: novo método de fixação do cateter umbilical reduz taxas de má posição

Tempo de leitura: 4 min.

Cateteres umbilicais são essenciais para os cuidados na UTI neonatal, tanto para monitorar, quanto para garantir uma via confiável para nutrição e medicação. Excelente via de acesso central. Em média, metade dos cateteres usando métodos adesivos padrão de fixação migram para o mau posicionamento, podendo causar tamponamento cardíaco, derrame pericárdico e trombose.

Outro risco muito importante é a infecção. Os métodos atuais para proteger esses cateteres deixam o local de inserção descoberto para esse propósito, mas permitem a introdução de bactérias pela manipulação durante o cuidado e pelas fraldas.

O objetivo deste estudo apresentado na AAP Experience 2021, congresso da American Academy of Pediatrics, foi medir as taxas de migração que levam ao mau posicionamento usando LifeBubble™ (um método de fixação de cateteres umbilicais).

LifeBubble™ | Reprodução do site oficial

Fixação do cateter umbilical

Métodos: revisão retrospectiva de prontuários em uma UTI neonatal do Oregon Health & Science University. Foram incluídos recém-nascidos > 1kg que necessitavam de cateter umbilical arterial (CUA) ou venoso (CUV) e que foram fixados usando um LifeBubble™ ou adesivo normal fixação de 2019 a 2021.

Os critérios de exclusão incluíram peso <1 kg, falecidos ou transferidos para fora da UTI antes da interrupção do cateter. Os cateteres foram removidos devido ao mau posicionamento ou ao final do uso. As medidas de resultado foram: a proporção de cateteres que moveram um ou mais corpo vertebral e a proporção que foi removida devido ao mau posicionamento , ambos determinados na radiografia.

Resultados

Um total de 159 pacientes foram incluídos para revisão, 58 utilizando LifeBubble™ (LB) e 61 adesivos de fixação. Havia um total de 106 cateteres no grupo de adesivo (57 CUV e 49 CUA) e 89 no grupo LB (54 CUV e 35 CUA). Ao comparar LifeBubble™ com o grupo de controle, houve significativamente menor migração de cateter de um ou mais corpo vertebral (12% vs 52%), uma redução significativa na migração de CUV (5,6% vs 44% ) e uma redução significativa na migração de CUV levando à descontinuação (5,6% vs 39%).

Enquanto a migração e descontinuação do CUA foi menor no grupo LB em comparação com o grupo de adesivo de fixação (11,4% vs 29%, 0% vs 7. 4%), esses achados não foram significativos.

Conclusão

Este novo método de fixação do cateter umbilical foi empregado sem complicações e associado uma taxa de migração significativamente menor do que o adesivo de fixação.

No Brasil, porém, esse método de fixação ainda não está disponível.

Mais do AAP Experience 2021:

Autora:

Compartilhar
Publicado por
Larissa Pires Marquite da Silva

Posts recentes

Ministério da Saúde lança campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti

O Ministério da Saúde lançou a campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor…

5 horas atrás

Síndrome de anticorpo antifosfolipideo: o que precisamos saber?

A síndrome de anticorpo antifosfolípideo é definida cumprindo pelo menos um clínico e um critério…

11 horas atrás

Hospital em Brasília busca voluntários para testar tratamento para câncer de pênis

Voluntários estão sendo selecionados em cinco estados e no Distrito Federal para participar de um…

1 dia atrás

Whitebook: anemia ferropriva

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision vamos falar sobre a abordagem…

1 dia atrás

Blog do Nurse: Bloco de Enfermagem Cirúrgica ganha atualização!

Nursebook recebeu atualizações no Bloco de Enfermagem Cirúrgica entre outras. Confira a lista completa!

2 dias atrás

Anemia megaloblástica na gestação – Parte 2

Segunda parte do artigo sobre anemia megaloblástica, a segunda principal causa de anemia durante a…

2 dias atrás