Página Principal > ACC 2019 > CAT de rotina após PCR não mostrou benefícios [ACC 2019]
PCR

CAT de rotina após PCR não mostrou benefícios [ACC 2019]

Tempo de leitura: 2 minutos.

A causa mais comum de parada cardiorrespiratória extra-hospitalar são ritmos chocáveis (FV ou TV), secundários à doença arterial coronariana. Por isso, após o retorno à circulação espontânea, a American Heart Association, no curso do ACLS, recomenda a coronariografia em todos os pacientes, sendo urgente (até 90 min) quando há supra do segmento ST e em 24h nos demais casos.

Mas um estudo divulgado no ACC 2019 veio mudar esse conceito. O COACT Trial recrutou pacientes que sobreviveram a uma PCR mas não tinham nenhum sinal de infarto agudo do miocárdio (IAM) – muita atenção aqui.

Leia maisParada cardiorrespiratória: acesso intraósseo é superior ao intravenoso?

Para este subgrupo, os participantes foram randomizados para CAT em 90 min versus CAT após recuperação neurológica. Os resultados mostraram que não houve diferença na sobrevida entre os dois grupos.

Qual a mensagem clínica? O CAT após PCR fica reservado para pacientes com evidências de IAM e/ou coronariopatia como causa da parada. Nos demais, procure outras etiologias (5H-5T) e trate a disfunção orgânica como um todo, que é mais importante.

ACC 2019: cobertura PEBMED

PEBMED traz as principais notícias do congresso do American College of Cardiology, fique ligado em nosso Portal!

É médico ou enfermeiro e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • LEMKES. Jorrit S. Coronary Angiography after Cardiac Arrest without ST-Segment Elevation. NEJM 18 de março de 2019 DOI: 10.1056/NEJMoa1816897.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.