Página Principal > Medicina Nuclear > Medicina Nuclear: prazer em lidar com a tecnologia
médico preparando paciente para RM

Medicina Nuclear: prazer em lidar com a tecnologia

Continuando a nossa série de artigos sobre Residência e as especialidades médicas, hoje Dr. Francisco Coelho fala tudo que você precisa saber sobre a Medicina Nuclear.

1) O que é?

Na Medicina Nuclear o profissional se utiliza de uma grande gama de radionuclídeos, compostos instáveis que degeneram produzindo radiação ionizante, com fins diagnósticos e terapêuticos. São exemplos de atuações da especialidade a realização de cintilografias e imagens PET dos mais diversos órgãos e sistemas do corpo humano, com o uso de diversos compostos ligados aos emissores radioativos, os radiofármárcos, bem como o tratamentos, se baseando na capacidade que a radiação proveniente dos emissores administrados ao paciente tem de causar dano celular.

2) Como é o dia a dia?

O médico nuclear tem uma rotina de consultas (pré-exame ou pré-tratamento), supervisionar administração de doses e aquisição de imagens, além de processamento dos exames e emissão de laudos. Essa rotina normalmente se dá durante o expediente diurno e em dias úteis, apenas poucos locais especializados com funcionamento em expediente noturno de emergência ou fins de semana.

3) Oportunidades de trabalho:

A grande maioria dos profissionais da área trabalha em grandes centros, onde se concentra a estrutura necessária para sua atuação. É uma área em expansão para centros de médio porte e ainda com poucos profissionais especializados.

4) Número de especialistas:

No momento, temos aproximadamente 800 médicos nucleares registrados pela Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

5) Curiosidade(s):

– A Medicina Nuclear é uma especialidade relativamente jovem, com seus primeiros passos no pós-segunda guerra, após o desenvolvimento da tecnologia de cíclotrons e produção de radionuclídeos em quantidade suficiente para uso médico, datando da década de 50 o início do uso de 131I para tratamento de doenças da tireoide. Apenas em 1971 a American Medical Association reconheceu a Medicina Nuclear como especialidade, que vem se firmando cada vez mais na prática clínica, principalmente em países do primeiro mundo.

6) Especialidades correlacionadas:

A Radiologia com certeza é a especialidade mais intimamente ligada à medicina nuclear, as duas sendo representantes da grande área de diagnóstico por imagem. Essa relação se tornou ainda mais próxima com o advento dos métodos tomográficos híbridos nas últimas décadas (SPECT/CT e PET/CT).

7) Área de atuação:

Por haver uma grande gama de exames diagnósticos e tratamentos, a Medicina Nuclear atua em colaboração à quase todas as especialidades, sendo a Oncologia Clínica e Cirúrgica, Endocrinologia e a Cardiologia as principais, mas não únicas, áreas de grande interesse da Medicina Nuclear.

8) Mensagem para quem quer seguir essa especialidade:

Poeticamente, o médico nuclear está para a fisiologia e patologia como o radiologista está para a anatomia. Atualmente, residente na área será treinado para realizar diagnósticos e tratamentos utilizando diversos radiofármacos já existentes, mas também é preparado para lidar com inovações que ainda estão por vir. É uma especialidade em constante evolução, em que novas tecnologias e fármacos são desenvolvidos a todo momento, logo, o especialista na área deve ser uma pessoa que tenha prazer em lidar com a tecnologia.

*Os artigos sobre as especialidades médicas foram produzidos em parceria com a Associação Nacional de Médicos Residentes

Veja as outras especialidades que já falamos por aqui!

Autor:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.