Página Principal > Homeopatia > Homeopatia: autoconhecimento é o primeiro passo para o sucesso
médica sorridente em consulta com paciente

Homeopatia: autoconhecimento é o primeiro passo para o sucesso

Como parte da nossa série de artigos sobre Residência e as especialidades médicas, hoje o Dr. Michel Wassersten fala sobre a Homeopatia. 

1) O que é?

A Homeopatia é uma especialidade médica reconhecida pelo CFM. No Brasil, farmacêuticos também são habilitados para a especialização. Existe um debate sobre a regulamentação na Odontologia que eu não acompanho, mas existem excelentes cursos de pós-graduação no Rio de Janeiro e Niterói nas três áreas citadas. A Residência Médica em Homeopatia no HUGG dura dois anos e foi consolidada ao longo da última década, sendo o primeiro programa do Brasil. Não exige pré-requisito e possibilita um ano opcional (R3). Eu fiz apenas os dois anos e aprendi muito com os meus professores e pacientes.

A Homeopatia foi desenvolvida no século XVIII, antes do advento da microbiologia e da farmacologia moderna, por Samuel Hahnemann. Esse contexto histórico é importante para reforçar que a Homeopatia passou por inúmeras transformações e recebeu contribuições de outras especialidades. Isso favoreceu o desenvolvimento de diferentes linhas de atuação ou escolas homeopáticas. Hahnemann, grande médico alemão, resgatou na lei hipocrática “Similia similibus curantur” a base de sua filosofia, afirmando que: “os remédios só podem curar doenças semelhantes àquelas que eles próprios podem produzir”. Através de anos de observação e experimentação, desenvolveu quatro princípios básicos que norteiam a terapêutica homeopática: “Lei da Semelhança”, “A Experimentação no Homem São”, “O Uso de Doses Mínimas ou Infinitesimais” e o “Uso do Medicamento Único”. Enfim, quem escolhe a Homeopatia como formação, acaba tendo a oportunidade de estudar história da Medicina, Filosofia e Psicologia.

2) Como é o dia a dia?

O dia a dia da residência é dividido pelos ambulatórios, onde acompanhamos os atendimentos professores/staffs pela manhã. Os ambulatórios fixos dos residentes são distribuídos ao longo da semana. Aqui temos mais autonomia e a possibilidade de discutir os casos e dúvidas. A procura é muito grande por parte dos pacientes. A agenda costuma ser muito cheia. Atuamos também na enfermaria de Clinica Médica, dependendo do número de residentes. Temos contato com residentes de outras especialidades. A carga teórica é composta pelas aulas ministradas pelos professores para a graduação e por discussões de temas específicos ou artigos. Os residentes também ministram aulas para os alunos da graduação. No HUGG, os pacientes atendidos nos ambulatórios são em sua maioria idosos com patologias crônicas, pacientes oncológicos e psiquiátricos. Existe um ambulatório de Neurologia e Homeopatia. Atendemos também muitos alunos da graduação que estão na transição do ciclo básico/internato. A carga horária e emocional não é tão pesada quando comparada a outras especialidades.

3) Oportunidades de trabalho:

Existem poucos concursos públicos para a especialidade; a maioria dos homeopatas atua na clínica privada (consultório). Poucos atuam dentro do ambiente hospitalar. Muitos homeopatas possuem outras formações como em Geriatria, Pediatria e Saúde Mental. Existem locais e institutos que oferecem consultas populares e que abrem oportunidades para quem está começando na homeopatia. Ninguém deve escolher a Homeopatia pensando na remuneração/retorno financeiro.

4) Número de especialistas:

No momento, temos aproximadamente 2.500 homeopatas registrados pela Associação Médica Homeopática Brasileira.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

5) Curiosidade(s):

– Uma curiosidade sobre a especialidade é que a anamnese homeopática difere um pouco da anamnese tradicional. Os pacientes costumam perguntar se somos psicólogos. Afinal, a consulta pode durar até uma hora e meia/duas horas (algo cada vez mais raro nas especialidades clínicas). Como homeopatas, temos a preocupação de oferecer o melhor tratamento para o paciente e isso inclui uma abordagem dos aspectos clínicos, psicológicos e sociais.

– Outra curiosidade é que o estudo e a prática da Homeopatia permitem que o médico homeopata passe por transformações conceituais e existenciais. Nesse sentido, o autoconhecimento pode ser o primeiro passo para uma caminhada profissional de sucesso. O que é sucesso para você?

6) Especialidades correlacionadas:

  • Clínica Médica
  • Neurologia
  • Geriatria
  • Pediatria

7) Área de atuação:

A possibilidade de atuação da Homeopatia é imensa: doenças crônicas e agudas, atenuação dos efeitos colaterais de quimioterapia e radioterapia, doenças psicossomáticas e transtornos de humor, dentre outros. Às vezes como ferramenta complementar à alopatia, e muitas vezes como terapêutica isolada.

8) Mensagem para quem quer seguir essa especialidade:

A Homeopatia deveria ser sempre aplicada com bom senso, assim como qualquer terapêutica médica. Ainda existe, infelizmente, muito preconceito e desconhecimento por parte dos profissionais e estudantes de medicina. Esse quadro está mudando lentamente, felizmente. Assim como está aumentando a procura por outras práticas integrativas e complementares como Acupuntura, Medicina Ayurveda e Fitoterapia.

*Os artigos sobre as especialidades médicas foram produzidos em parceria com a Associação Nacional de Médicos Residentes

Veja as outras especialidades que já falamos por aqui!

Autor:

Referências:

3 Comentários

  1. Luis Sánchez

    Ola!

    A Homeopatia é um recurso terapêutico eficaz que nos permite contribuir na saúde de pacientes que não conseguimos a cura, a compensação com alopatia, há demonstração de sua utilidade em todas especialidades médicas, além da veterinária e agronomia. Acredito que algum dia será uma das disciplinas básicas na formatura de medicina.

    Parabéns PEBMEB por divulgar a está especialidade.

  2. Homeopatia é pseudociência: peca em vários critérios da investigação científica. Os medicamentos não possuem eficiência superior ao placebo e, por vezes, sequer é possível encontrar o princípio ativo nas análises microscópicas, de tão diluído que está

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.